Quem sou eu

Minha foto

Nascido em 15/06/1964, sou um dinossauro me aventurando em um mundo essencialmente de jovens.
No entanto, sou um homem moderno, light, portanto insosso e incapaz de sintetizar essa enorme massa de informação a que tenho acesso. 

Viajante do Google Street View.

Já perdi o que nunca tive.
Tenho saudades de um tempo em que nunca vivi.
Tenho saudades de lugares onde nunca estive.

Estou praticamente certo de que eu não sou daqui, ou estou deslocado no tempo ou no espaço, ou em ambos os dois.

Rádio Absolute 80´s

Separador

segunda-feira, junho 29, 2009

Quem conta um conto...

O Eterno Problema de Comunicação nas Empresas
Este hilariante texto é até que razoavelmente antigo, mas, creio eu, jamais ultrapassado.

De: Diretor Presidente
Para: Gerente
Na próxima sexta-feira, aproximadamente às 17h, o cometa Halley estará nesta área. 
Trata-se de um evento que ocorre somente a cada 76 anos, um evento raro, portanto.
Assim sendo, por favor, reúna os funcionários no pátio da fábrica, onde explicarei o fenômeno a eles, todos devem usar capacete de segurança.
Se estiver chovendo, não poderemos ver o raro espetáculo a olho nú, nesse caso, todos deverão dirigir-se ao refeitório, onde será exibido um Filme-Documentário sobre o cometa.

De: Gerente
Para: Supervisor
Por ordem do Diretor Presidente, na sexta-feira, às 17h, o cometa Halley vai aparecer sobre a fábrica. Se chover, por favor, reúna os funcionários, todos de capacete de segurança, e os encaminhem ao refeitório, onde o raro fenômeno terá lugar, o que acontece a cada 76 anos, logo após o evento será exibido um filme a olho nú.

De: Supervisor
Para: Chefe de Produção
A convite do nosso querido Diretor, o cientista Halley, 76 anos, vai aparecer nú no refeitório da fábrica às 17h usando capacete, pois vai ser apresentado um filme sobre o problema da chuva na segurança.
O Diretor levará a demonstração para o pátio da fábrica.

De: Chefe de Produção
Para: Mestre
Na sexta-feira, às 17h, o Diretor, pela primeira vez em 76 anos, vai aparecer no refeitório da fábrica para filmar o Halley nú, o cientista famoso e sua equipe.
Todo mundo deve estar lá de capacete, pois será apresentado um show sobre a segurança na chuva.
O Diretor levará a banda para o pátio da fábrica.

De: Mestre
Para: Funcionário
Todo mundo nú, sem exceção, deve estar com os seguranças no pátio da fábrica na próxima sexta-feira às 17h, pois o manda-chuva (o Diretor) e o Sr. Halley, guitarrista famoso, estarão lá para mostrar o raro filme "Dançando na Chuva". 
Caso comece a chover mesmo, é para ir pro refeitório de capacete na mesma hora.
O show será lá, o que ocorre a cada 76 anos.

Aviso para Todos
Na sexta-feira, o chefe da Diretoria vai fazer 76 anos, e liberou geral para a festa, às 17h00 no refeitório. 
Vai estar lá, pago pelo manda-chuva, Bill Halley e Seus Cometas. 
Todo mundo deve estar nú e de capacete, porque a banda é muito louca e o rock vai rolar solto até no pátio, mesmo com chuva.

sexta-feira, junho 12, 2009

Há um dedo apontando para mim.

Eu tinha um gato que eu pensava ter espírito de cachorro, já que este, sempre que eu chegava em casa, ia me encontrar e mordia minha perna. Mas depois eu descobri que ele me mordia porque seu nome era mimi.
É compreensível. Sendo ele um macho, esse nome o deixava mal perante outros gatos (e gatas).
Quem lhe deu esse nome foi minha esposa, mas o gato me culpava porque como marido eu devia tê-la impedido de dar-lhe este nome.
Minha culpa.
Se meu filho é bem educado, o mérito é da minha esposa, se meu filho é mau educado, a culpa e minha.
Tudo bem, eu ate aceito isso, ele é meu filho e cabe a mim educá-lo, se não o fiz, a falta foi minha.
Minha culpa.
Se os filhos dos outros são bem educados, o mérito é dos seus pais, mas se estes são mal educados, a culpa e minha.
Perdoem-me a expressão, mas, culpa minha é o cacete!
Quando alguém comete um crime logo vem alguém dizendo:
-A culpa é da sociedade!
-A culpa é do governo!
Não sei como era na época dos meus pais, dos meus avos..., mas, creio que hoje vivemos uma época em que não assumimos nossos atos e estamos sempre procuramos alguém para responsabilizar por nossos erros. É a cultura do "No matter what happened, it was not my fault!".
Será que o fato de os nossos filhos serem tão inconsequentes se deve a essa cultura? Pelo menos em parte?
Quando fracassamos na vida, vamos ao psicanalista para ouvi-lo nos dizer: "A culpa é dos seus pais...", e saímos felizes da vida.
Culpamos o governo, o vizinho, a sociedade e, quando não sobra a quem culpar, culpamos a Deus. 
Os filhos erram e os pais respondem pelos seus erros.
Meu pai disse que em tempos idos, os filhos não eram inconsequentes, pois estes respondiam pelos seus erros, não seus pais.
Sempre ouço que um criminoso não é criminoso pela sua índole, mas por culpa da sociedade que não lhe deu chance, culpa do governo que não lhe deu educação, trabalho, etc.
Eu até entendo alguém se desesperar por não ter um emprego e acabar roubando para alimentar a família, pois como disse o poeta: "... e sem o seu trabalho, o homem não tem honra, e sem a sua honra, se morre, se mata...".
Mas, isso justifica incendiar ônibus? Incendiar índio que estava dormindo?
Não!
Ou pelo menos eu penso que não, não justifica.
Conheço pessoas que ficaram mais de ano sem emprego e não cometeram nenhum crime.
Não foi a escola?
Meus pais e muitos contemporâneos seus são analfabetos e pessoas de bem.
Conheço uma família na qual os pais morreram quando os filhos ainda eram crianças. Embora eles tenham baixa escolaridade e vivam em um local onde a criminalidade impera, nenhuma dessas crianças, que hoje já são pais, cometeu delito.
Torço muito para que os filhos deles sigam seus exemplos.
Eu sei que não tenho nenhum diploma e que irei contra muitos doutores, mas eu penso que o criminoso é criminoso pela sua índole, pela sua inclinação à maldade.
Culpar o governo e a sociedade só dá carta branca ao criminoso.
Cada criminoso usa as armas que estão ao seu alcance.
Vemos notícias sobre políticos, policiais, juízes, advogados, promotores, artistas, médicos, jogadores, dirigentes e juízes de futebol..., todos envolvidos em crimes, e, até onde eu sei, eles estão empregados, tem um salário “razoável” e alguns deles tem um grau de escolaridade considerável.
Então, não posso aceitar que me culpem por alguém arrastar um garoto pelas ruas até que este morra, ou coisa do gênero.
Um bom samaritano disse a uma prostituta que lhe daria um emprego para ela largar aquela vida e ela lhe disse que não se sacrificaria um mês inteiro para ganhar uma quantia em dinheiro que ela ganhava em uma ou duas noites.
Sei (embora não possa provar) que existem universitárias, engenheiras, médicas..., que, além das suas profissões, exercem também a mais antiga.
Devo me sentir culpado também por isso?
Já vi mulher trabalhando de servente de pedreiro, subindo em andaimes. Conheço mulheres que trabalharam colocando piso, azulejo, enquanto não conseguiam emprego na sua profissão.
Não se prostituíram por que?
O que uns usam como desculpa para fazer, outros usam como motivo para não fazer, ou vice-versa.
Como a fabula dos dois gêmeos que tinham pai alcoólatra. Um deles se tornou alcoólatra e outro não.
O que se tornou alcoólatra disse: "Me tornei um alcoólatra porque meu pai era alcoólatra".
O que não se tornou alcoólatra disse: "Eu não bebo porque meu pai era um alcoólatra".
É inegável que se pode alterar/refrear a índole de uma pessoa, mas isso depende muito mais do indivíduo do que da sociedade e das instituições.
Os noticiários me convencem de que não basta (pelo menos não mais) dar educação e emprego.
Vendo que nem a religião exerce mais poder sobre a pessoa, às vezes me pego amedrontado ao tentar vislumbrar para onde estamos caminhando.
Que tipo de ser humano habitará a terra dos meus (não sendo pessimista) bisnetos?
Tenho comigo que 98% das pessoas não transgridem porque temem serem castigadas por um Deus, mas, e quando esse medo acabar totalmente?
Por volta de 1997 eu comentei que isso ocorreria dentro de uns 50 anos.

[Editado]
Vi este blog o que o autor pensa sobre alguém cometer crime parece um pouco com o que eu penso.

http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil/2014/02/06/vamos-comparar-rachel-sheherazade-e-francisco-bosco-em-homenagem-ao-psol-e-ao-sindicato-dos-jornalistas/

quinta-feira, janeiro 29, 2009

Muito antes dos direitos humanos.

Direitos humanos para humanos direitos.
Estou quase certo de que este recorte não é verdadeiro.

Sonhos do AJ - Episódio 03

Sonhei que eu estava vindo não sei de onde e me  dirigia para a minha casa em um carro velho. Virei uma curva à esquerda, era descida. Não ...