Quem sou eu

Minha foto

Nascido em 15/06/1964, sou um dinossauro me aventurando em um mundo essencialmente de jovens.
No entanto, sou um homem moderno, light, portanto insosso e incapaz de sintetizar essa enorme massa de informação a que tenho acesso. 

Viajante do Google Street View.

Já perdi o que nunca tive.
Tenho saudades de um tempo em que nunca vivi.
Tenho saudades de lugares onde nunca estive.

Estou praticamente certo de que eu não sou daqui, ou estou deslocado no tempo ou no espaço, ou em ambos os dois.

Rádio Absolute 80´s

Separador

sexta-feira, setembro 21, 2007

Ê fumacê.

Certa vez ouvi um fumante dizer: “Agora sou vítima de preconceito, não tenho mais o direito de fumar o meu cigarro...”.
Camarada fumante, quanto a mim, o que tenho a dizer é que eu não tenho nada contra o fumante, tenho sim, e muito, contra o cigarro.
O cigarro libera uma fumaça que polui o ar que eu respiro, o que além de deixar o ar com um fétido fedor horrível de fedido, me dificulta a respiração.
Quando fico perto de um cigarro que esta liberando essa fumaça meus (poucos) cabelos e minhas roupas ficam num cheiro...
Além disso, o cigarro deixa sempre uma sobra conhecida como “bituca” que geralmente é lançada ao chão.
Ou seja, o cigarro polui o ar que eu respiro e o chão que eu piso.
A menos que a OMS esteja errada, a fumaça emitida pelo cigarro é cancerigena e eu, mesmo não colocando um cigarro na boca, sou um fumante.
Isso por que o cigarro libera fumaça no ar e me obriga a respira-la, ainda mais se estivermos em um local fechado.
A OMS diz também que a fumaça que não passa pelo filtro é a pior, e é esta que o fumante passivo (eu) respira.
Por coisas assim que eu não gosto do cigarro.
Ao camarada lá do início eu teria mais algo a dizer: “Você tem tanto direito de fumar o teu cigarro quanto eu tenho de respirar um ar livre da fumaça dele”.
Ou algo assim.

Sonhos do AJ - Episódio 03

Sonhei que eu estava vindo não sei de onde e me  dirigia para a minha casa em um carro velho. Virei uma curva à esquerda, era descida. Não ...